FAQ – Perguntas frequentes sobre os equipamentos de Airsoft

Confira algumas das perguntas frequentes sobre os equipamentos de Airsoft relacionadas ao transporte das armas e como lidar ou fazer em cada uma das situações.

Posso viajar com minha arma de airsoft?

 

Sim, mas não é permitido – no caso de viagens de avião – o embarque da arma de Airsoft como parte da bagagem de mão, devendo ser despachada e transportada junto com as bagagens no local adequado da aeronave.

 

Caso esse seja o seu caso, logo ao chegar para fazer check-in, informe o funcionário que você está com uma arma de pressão. Um formulário será entregue a você e será necessário preenchê-lo com a descrição do objeto e só então, você será encaminhado – junto com o equipamento – para a fiscalização na Polícia Federal, recebendo ou não o ok para o despache da arma.

 

Não se esqueça de arrumar todo o material em uma mochila ou uma caixa rígida adequada para o equipamento.  

 

Posso portar minha arma de airsoft?

 

Você pode transportar, visto que as armas de Airsoft são de pressão. Porém não é possível portar, ou seja: carregar a arma pela rua, seja na mão, na cintura ou até mesmo no carro de modo visível. Todas essas atitudes são extremamente proibidas.

 

Ao transportar a sua arma é preciso tomar vários cuidados como explicamos na primeira pergunta e acima de tudo: ser discreto. O seu equipamento pode não ser bem visto porque quem não conhece, causar pânico desnecessário e até mobilizar as autoridades. Isso releva a importância de um transporte e porte adequado.

 

Preciso de algum documento para portar a arma?

 

Como explicamos no texto Armas de Airsoft são permitidas por lei?, dois documentos podem vir a ser necessários que é o caso do CR ou Certificado de R e do GT ou Guia de Transporte. Tanto um, quanto outro, servem para as armas de gás comprimido – independente do calibre e também das armas de pressão de mola com o calibre igual ou superior a 6mm.

 

A solicitação do CR é feita ao exército e serão necessários os seguintes documentos: certidão provando que nada consta da Justiça Federal, Justiça Militar e Vara de Execução Criminais, comprovante de endereço original, cópia de RG e CPF (ambos autenticados em cartório) e pagamento de taxa junto à Guia de Recolhimento da União (GRU). O GT envolve a nota fiscal que confirma a legalidade da arma, mas também deve ser solicitado com o exército.

Leave a Comment